Engaste

Rey que nom guarda justiça nom ha de reynar

As quaes sostancias muyto engrandecerão a opinião d'Heytor da Silueira, que se tinha em conta do principal da India, que com o odio que já tinha a Lopo Vaz muyto fauoreceo com palauras as cousas de Pero Mascarenhas, com que então muyto se aluoraçarão contra Lopo Vaz, e de noite lhe cantauão: «Rey que nom guarda justiça nom ha de reynar, e em outra cousa nom deues confiar.»

  • Português

Vasconcelos, Carolina Michaëlis de, “Estudos sobre o Romanceiro peninsular. Romances velhos em Portugal”, Cultura española, VIII, 1907, p. 1022.

Autoria
Gaspar Correia
1495
1561
  • XVI
Composição ou secção quadro

Capitulo XI. Como Afonso Mexia defendeo a Pero Mascarenhas que nom desembarcasse

Ao outro dia era sesta feira

Historiográfico
  • Português
  • Espanhol
Sim
  • Paródica
Obra

Lendas da India por Gaspar Correia publicadas de ordem da Classe de Sciencias Moraes, Politicas e Bellas Lettras da Academia Real das Sciencias de Lisboa e sob a direcção de Rodrigo José de Lima Felner, socio effectivo da mesma Academia. Obra subsidiada pelo Governo de Portugal. Livro Terceiro que conta dos feitos de Pero Mascarenhas, e Lopo Vaz de Sampayo, e Nuno da Cunha. Em que se passarão 17 annos. Tomo III. Lisboa, Na Typographia da Academia Real das Sciencias, 1862, p. 150.

  • Historiográfico
  • Português
  • Espanhol

A obra encontra-se disponível na coleção digital da Biblioteca Nacional de Portugal, http://purl.pt/12121 [25/03/2019].

Romance(s) de origem

Este grupo e os respetivos campos surgem replicados quando o verso de procedência do engaste é partilhado por vários romances.