Engaste

que erros por amores | ſaõ dĩnos de perdoar

que erros por amores | são dinos de perdoar

am. Señor ſogro lamentais | não tendes nio razão | não ſois sò que muitos ſaõ | os que eſtes parentes tais | ſucederão em ſeu quinhão | julguẽ meu deſimular | vejão que mo fez cauſar | ſeu parecer ſeus primores | dirão que erros por amores | ſaõ dĩnos de perdoar

Ambrósio   Senhor sogro lamentais? | Não tendes nisso razão | não sois só, que muitos são | os que estes parentes tais | sucederão em seu quinhão. | Julguem meu dessimular | vejam que mo fez causar | seu parecer, seus primores. | Dirão que erros por amores | são dinos de perdoar.
  • Português

Vasconcelos, Carolina Michaëlis de, “Estudos sobre o Romanceiro peninsular. Romances velhos em Portugal”, Cultura española, IX, 1908, p. 129.

Autoria
António Prestes
  • Identificada
Desconhecido
Desconhecido
  • XVI
Composição ou secção quadro

Avto feyto por Antonio Prestes chamado do Procurador

du. O como folgo pardelhas

Dramático
  • Português
  • Espanhol

Prestes, António, Auto do Procurador, Centro de Estudos de Teatro, Teatro de Autores Portugueses do Séc. XVI, www.cet-e-quinhentos.com [16/10/2018].

Sim
  • Paródica
Obra

Primeira parte dos avtos e comedias portvgvesas feitas por Antonio Prestes, & por Luis de Camões, & por outros Autores Portugueses, cujos nomes vão nos principios de suas obras. Agora nouamente juntas & emendadas nesta primeira impressão, por Afonso Lopez, moço da Capella de sua Magestade, & a sua custa. Por Andres Lobato Impressor de Liuros, Anno 1587, fol. 41r.

  • Dramático
  • Português
  • Espanhol

1. Apesar de não se encontrar indicado o local de impressão desta obra, Artur Anselmo afirmou provirem de Lisboa todas as impressões de Andres Lobato (Origens da imprensa em Portugal, Lisboa, Imprensa Nacional - Casa da Moeda, 1981).

2. Esta obra encontra-se disponível na coleção digital da Biblioteca Nacional de Portugal, http://purl.pt/23692 [16/10/2018].

Romance(s) de origem

Este grupo e os respetivos campos surgem replicados quando o verso de procedência do engaste é partilhado por vários romances.