Revisões literárias: a aplicação criativa de romances velhos (sécs. XV-XVII)

Imprimir

Engaste

Edição diplomática do engaste

que ricas aljubas veſtiaõ

Edição moderna do engaste

que ricas aljubas vestiam

Edição diplomática do contexto do engaste

Mil. Eu te olho com tais olhos, que naõ fazes, nem dizes couſa ſem fundamento. | Vilh. Bem me tomaſte o pulſo, hia cuydando neſtes clerigos perfumados, que ricas aljubas veſtiaõ.

Fac-símile
Edição moderna do contexto do engaste

Milvo   Eu te olho com tais olhos que não fazes nem dizes cousa sem fundamento. | Vilhalpando   Bem me tomaste o pulso, ia cuidando nestes clérigos perfumados, que ricas aljubas vestiam.

Referência da identificação do engaste

Vasconcelos, Carolina Michaëlis de, “Estudos sobre o Romanceiro peninsular. Romances velhos em Portugal”, Cultura española, VIII, 1907, p. 1045.

Fac-símile 
Idioma do engaste
  • Português
Notas ao engaste

Autoria

Autor do engaste
Francisco de Sá de Miranda
Tipo de assinatura do autor
  • Identificada
Ano de nascimento do autor
1487
Ano de falecimento do autor
1558
Século de atividade do autor
  • XVI
Notas sobre o autor

Composição ou secção quadro

Título da composição ou secção quadro

Comedia dos Vilhalpandos

Incipit  da composição ou secção quadro

Põ. Boa seja a vinda Mario

Género literário da composição ou secção quadro
Dramático
Idioma da composição ou secção quadro
  • Português
  • Espanhol
Referência da edição moderna

Miranda, Francisco Sá de, Comédia dos Vilhalpandos (1560), Centro de Estudos de Teatro, Teatro de Autores Portugueses do Séc. XVI, www.cet-e-quinhentos.com [18/02/2019].

Reelaboração discursiva do verso de origem do engaste
Sim
Reelaboração semântica do verso de origem do engaste
Paródica

Obra

Referência da obra

Comedia dos Vilhalpandos, Feita polo Doutor Francisco de Sà de Miranda. Agora nouamente impressa em Coimbra, em casa de Antonio de Maris. 1560. Com Priuilegio, fols. 35v-36r.

Género literário da obra
  • Dramático
Idioma da obra
  • Português
  • Espanhol
Notas à obra

Proveniência textual do engaste

Título e IGR do romance
0340 - Por Guadalquivir arriba

Tradição Antiga

Verso do romance de proveniência

ricas aljubas vestidas | y encima sus albornoces

Incipit do romance de proveniência

Por Guadalquivir arriba | cabalgan caminadores

Testemunhos antigos do romance

Folhetos de cordel

Maldiciones de Salaya, hechas a vn criado suyo que se llamaua Misanco [sic], sobre vna capa que le hurtò. Con vn romance del Conde Fernan Gonçalez. Y otro del Cid (Pliegos poéticos góticos de la Biblioteca Nacional de Madrid, I, Madrid, Joyas Bibliográficas, 1957, n.º 12; Mercedes Fernández Valladares y Víctor Infantes, Pliegos cántabros del siglo XVI (poesía), Santander, Cuévano, 1985, pp. 137-144).

Siguense ocho Romances viejos. El primero es de la presa de Tunez que dize Estãdo en vna fiesta: en los baños de Cartago. El segundo que dize. Castellanos, y Leoneses. El tercero que dize. Por guadalqueuir arriba. El quarto. Salese Diego ordoñez. El quinto que dize. Por aquel postigo viejo, que nunca fuera cerrado. El sexto que dize. Parida estaua la Infanta. El septimo que dize. Ay Dios que buẽ cauallero, El maestro de Calatraua. El octauo que dize. En el mes era de Abril. Y al fin dos Villancicos de Juan del Enzina. Y dos canciones (José Manuel Blecua (ed.), Pliegos poéticos del s. XVI de la Biblioteca de Cataluña, 2 vols., Madrid, Joyas Bibliográficas, 1976, n.º 41).

Posição do verso no romance
  • Zona Intermédia
Tradição Moderna
Presença do romance na tradição moderna portuguesa
Não
Presença do romance nas restantes tradições modernas pan-hispânicas
Não
Notas sobre a tradição moderna